Clipping

Greve de auditores fiscais afeta serviços no porto de Paranaguá

30 de novembro de 2017

Imprimir   Enviar por e-mail

A greve dos auditores fiscais da Receita Federal já começa a afetar alguns serviços e causar atrasos ao trabalho prestado por despachantes e empresas de logística no Porto de Paranaguá, no litoral do Paraná. A paralisação dos auditores é nacional e teve início no dia 1° de novembro. A categoria cobra do governo federal o cumprimento de um acordo firmado em 2016, que estipulava 20% de reposição salarial, sendo 5% por ano, até 2019.
 
Os auditores fazem uma operação-padrão durante a semana: nas terças, quartas e quintas-feiras os servidores ficam fora das repartições e nos outros dois dias, nas segundas e sextas-feiras, a categoria não utiliza os computadores. Apenas 30% do efetivo permanece trabalhando para garantir a continuidade dos serviços essenciais, como liberação de medicamentos, insumos hospitalares, animais vivos e alimentação de bordo para tripulantes de navios.
 
Sócio de uma empresa de comércio exterior e logística, Kleber de Souza Fontes, afirma que já sente os primeiros reflexos da greve dos auditores. Ele acredita que a situação deve piorar ainda mais com a proximidade do Natal e o grande volume de importações para esta época do ano.
 
“Todas as declarações de importação que são parametrizadas no canal amarelo ou vermelho, quando tem que ter conferencia documental e física, para conseguir o nome do fiscal está levando uma média de 30 dias. Durante esses 30 dias paga-se armazenagem, onerando o custo da importação que acaba sendo repassada ao cliente final”, destaca.
 
Segundo Kleber Fontes, as manifestações fazem com que o tempo de liberação das declarações e cargas aumente bastante. Ele diz que, quando a operação está normal, uma carga que passa pela fiscalização da Receita costuma demorar uma média de sete dias úteis para ser liberada. Já com a paralisação, a média para realizar todo o trâmite ultrapassa os trinta dias.
 
Para evitar que haja o perecimento de algumas cargas, as empresas têm entrado com mandados de segurança para acelerar o processo de liberação. A greve é por tempo indeterminado. Apesar da reclamação de empresários quanto ao atraso em alguns serviços, a assessoria do Porto de Paranaguá informa que, por enquanto, o trabalho não está sendo afetado. Para a semana que vem, na quarta-feira, os auditores programam uma manifestação na Ponte da Amizade, principal ligação entre Foz do Iguaçu e Ciudad del Este, no Paraguai.

Fonte: Paraná Portal

Compartilhe

   
  Compartilhar no WhatsApp

Comente

Nome

E-mail

Localidade

Digite o código ao lado

código captcha

Comentário (máximo 1000 caracteres) | Restam: